Busca:

Institucional
Turismo
Turismo de Base Comunitária
Estado do Rio
WorkShop Virtual
 Turismo de Base Comunitária: Diversidade de Olhares e Experiências Brasileiras

Turismo de Base Comunitária:
Diversidade de Olhares e Experiências Brasileiras

Organização:
Roberto Bartholo, Davis Gruber Sansolo e Ivan Bursztyn

Esta publicação é fruto de uma trajetória. Encontros e reflexões que ao longo da última década consolidaram uma abordagem ao turismo desde uma perspectiva mais ampla e complexa do que seguidamente vem sendo tratada como exclusivamente uma atividade econômica. O Laboratório de Tecnologia e Desenvolvimento Social (LTDS) está vinculado à área de Gestão e Inovação do Programa de Engenharia de Produção do Instituto Luiz Alberto Coimbra de Pós-graduação e Pesquisa de Engenharia (COPPE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro; e é liderado por Roberto Bartholo. O LTDS vem, desde 1996, realizando atividades que procuram unir a reflexão acadêmica ao enfrentamento de carências sociais, reunindo e formando profissionais interessados em aplicar critérios ético-valorativos à criação, gerenciamento e avaliação de modelos inovadores de intervenção e desenvolvimento.

A presente publicação está organizada em duas grandes partes. A primeira parte, intitulada “Diversidade de olhares” é dedicada a um enfoque teórico que possa dar contribuições para conceituação do Turismo de Base Comunitária. Na segunda parte, intitulada “Experiências brasileiras” buscamos expor algumas características  das iniciativas apoiadas pelo Ministério do Turismo no âmbito do edital 01/2008. Nossa intenção é dar visibilidade  para a diversidade de projetos e seus promotores, divulgando alguns dos lugares e iniciativas que compõem o cenário do Turismo de Base Comunitária no Brasil.

Apresentar um marco conceitual para o turismo de base comunitária não é das tarefas mais fáceis. Muitas são as abordagens possíveis e as referências que podem guiar um discurso que busque definir esta atividade que em sua essência é diversa. Não se pode falar em modelos ou quaisquer outras formas simplificadoras. A diversidade de contextos, histórias, lugares e personagens fazem de cada uma das iniciativas autoproclamadas “comunitárias” únicas. Tentar compreender essa diversidade e extrair ensinamentos que possam subsidiar a formulação de políticas públicas é sem dúvida um grande desafio.

Convidamos, assim, 27 pesquisadores, doutores e mestres, para compartilharem suas visões e experiências. Oriundos dos mais diferentes campos do saber (engenharia, antropologia, geografia, sociologia, ciências ambientais, turismo, jornalismo, economia, etc.) e dos quatro cantos do país e do exterior, os autores buscaram apresentar suas contribuições em forma de ensaios, artigos e estudos de caso. São textos que, no entender dos organizadores, podem contribuir para a compreensão das bases conceituais e, por conseguinte, fornecer ferramentas para o fortalecimento dessa forma de turismo, protagonizado por atores sociais cuja identidade foi forjada na história dos lugares. De forma alguma, desconectada com o mundo, mas distinguindo-se pela sabedoria construída no lugar, com suas crenças, valores, mitos, técnicas, enfim, por aqueles que detêm um patrimônio intangível, mas que existe, que resiste e que se dispõem a aqueles que compreendem o valor da diversidade, da alteridade.  

A segunda parte, é dedicada a uma breve descrição dos 50 projetos apoiados pelo Ministério do Turismo por meio do edital 01/2008. A chamada para o  edital atraiu cerca de quinhentas propostas de todo o Brasil das quais 50 foram selecionadas por uma banca formada por representantes do Ministério do Turismo, por professores e pesquisadores de algumas universidades brasileiras e por consultores especialistas no tema.

Nosso objetivo foi o de reunir e apresentar as reflexões que hoje já estão disponíveis sobre o turismo de base comunitária, como um passo para um aprofundamento que exige olhares multifacetados, mas também que estejam abertos ao diálogo transdisciplinar que o tema necessita. Acreditamos que esta publicação marque o início de uma parceria entre o Ministério do Turismo e o Laboratório de Tecnologia e Desenvolvimento Social da COPPE/UFRJ, visando o aprimoramento dos instrumentos públicos de fomento ao turismo de base comunitária no Brasil. A consolidação do turismo de base comunitária enquanto atividade geradora de benefícios diretos as comunidades locais necessita de um esforço conjunto dos setores público e privado, da sociedade civil organizada e de instituições de ensino em todo o país.

Clique aqui para fazer o download da publicação completa.